Meditação Consciente

Compartilhar

Gnosis Portugal apresenta o curso de autoconhecimento
com a conferência pública gratuita “Meditação Consciente” com o objetivo de introduzir ao público presente de forma teórica e práctica, aspectos básicos sobre a meditação e a paz interior como fundamentos para um bem-estar integral.
Dias: 5 e 12 outubro 20 horas
Lugar: Rua António Feliciano de Castilho 7B, 2730-017 Tercena

Na vida, a única coisa importante é a mudança radical, total e definitiva; o demais, francamente, não tem a menor importância.
A meditação resulta fundamental quando, sinceramente, nós queremos tal mudança.
De modo algum desejamos a meditação intranscendente, superficial e vã.
Necessitamos tornar-nos sérios e deixar de lado tantas tolices que abundam por aí no pseudo-esoterismo e pseudo-ocultismo baratos.
Há que se saber ser sério, há que saber mudar, se é que na realidade, de verdade, não queremos fracassar no trabalho esotérico.
Quem não sabe meditar, o superficial, o leviano, jamais poderá dissolver o ego; será sempre um lenho impotente entre o furioso mar da vida.
Defeito descoberto, no terreno da vida prática, deve ser compreendido profundamente através da técnica da meditação.
O material didático para a meditação encontra-se, precisamente, nos distintos eventos, ou circunstâncias diárias da vida prática, isto é incontrovertível.
As pessoas sempre protestam contra os eventos desagradáveis; nunca sabem ver a utilidade de tais eventos.
Nós, ao invés de protestarmos contra as circunstâncias desagradáveis, devemos extrair das mesmas, mediante a meditação, os elementos úteis para nosso crescimento anímico.
A meditação profunda sobre tal ou qual circunstância agradável ou desagradável nos permite, em nós mesmos, o sabor, o resultado.
É necessário fazer uma plena diferenciação psicológica entre o que é o “sabor trabalho” e o “sabor vida”.

Em todo o caso, para sentir, em nós mesmos, o sabor trabalho, requer-se inversão total de atitude com que, normalmente, encaramos as circunstâncias da existência.
Ninguém poderia gostar do sabor trabalho, enquanto cometer o erro de identificar-se com os diversos eventos.
Certamente, a identificação impede a devida apreciação psicológica dos eventos.
Quando nos identificamos com tal ou qual acontecimento, de modo algum logramos extrair, do mesmo, os elementos úteis para o autodescobrimento e crescimento interior da Consciência.
O trabalhador esoterista que regressa à identificação, depois de haver perdido a vigilância, volta a sentir o sabor vida ao invés do sabor trabalho.
Isto indica que a atitude psicológica, antes invertida, voltou a seu estado de identificação.
Qualquer circunstância desagradável deve ser reconstruída por meio da imaginação consciente, através da técnica da meditação.
A reconstrução de qualquer cena nos permite verificar, por nós mesmos e, em forma direta, a intervenção de vários eus participantes da mesma.
Exemplo: Uma cena de ciúmes amoroso; nela intervém eus de ira, ciúmes, e até ódio.
Compreender cada um destes eus, cada um destes fatores implica, de fato, em profunda reflexão, concentração, meditação.
A marcada tendência de culpar os outros é obice, obstáculo para a compreensão de nossos próprios erros.
Desgraçadamente, resulta tarefa muito difícil destruir, em nós, a tendência de culpar os outros.
Em nome da verdade, diremos que nós somos os únicos culpados das diversas circunstâncias da vida.

Os distintos eventos agradáveis ou desagradáveis existem sem nós ou conosco e se repetem, mecanicamente, em forma contínua.
Partindo deste princípio, nenhum problema pode ter uma solução final.
Os problemas são da vida e se houvesse uma solução final, a vida não seria vida, senão morte.
Então, pode haver modificação das circunstâncias e dos problemas; mas, nunca deixarão de se repetir e jamais terão uma solução final.
A vida é uma roda que gira mecanicamente, com todas as circunstâncias agradáveis e desagradáveis; sempre recorrente.
Não podemos deter a roda; as circunstâncias boas ou más processam-se sempre mecanicamente; unicamete podemos mudar nossa atitude ante os eventos da vida.
Conforme aprendamos a extrair o material para meditação dentre as mesmas circunstâncias da existêcia, iremos nos autodescobrindo.
Em qualquer circunstância agradável ou desagradável, existem diversos eus que devem ser compreendidos, integralmente, com a técnica da meditação.
Isto significa que qualquer grupo de eus, intervindo em tal ou qual drama, comédia ou tragédia da vida prática, depois de ter sido compreendido integralmente, deverá ser eliminado mediante o poder da Divina Mãe Kundalini.
À medida que façamos uso do sentido da observação psicológica, este último irá também se desenvolvendo maravilhosamente. Então podemos perceber os eus durante o trabalho de meditação.
Resulta interessante perceber, interiormente, não somente os eus antes de haverem sido trabalhados, senão, também, durante todo o trabalho.
Quando estes eus são decapitados e desintegrados, sentimos um grande alívio, uma grande dita.